Livro: A Descoberta de Ari dos Teles; por Matthew Lipman

Imagem

Capítulo Um

Imagem

                Provavelmente nada disso teria acontecido se, naquele dia, Ari não tivesse ficado distraído na aula de Ciências. O professor Batista estava falando do sistema solar e de como todos os planetas giram em torno do Sol. Ari simplesmente parou de escutar porque surgiu em sua cabeça a imagem de um grande Sol ardendo em chamas com todos os pequenos planetas girando, sem parar, à sua volta.

                De repente, Ari percebeu que o professor Batista estava olhando para ele. Ari tentou livrar-se daquelas imagens para poder prestar atenção na pergunta.

                – O que é que tem uma cauda comprida e dá uma volta em torno do sol a cada 77 anos?

                Ari percebeu que não tinha a menor ideia da resposta que o professor esperava.

                – Cauda comprida?

                Por um momento Ari brincou com a ideia de dizer que era uma estrela cachorro (ele tinha lido em algum lugar sobre a constelação do Cão Maior) mas teve medo que o professor achasse que não era uma resposta lá muito engraçada. O professor Batista não gostava desse tipo de brincadeira, mas era muito paciente.

                Ari sabia que tinha alguns instantes para pensar antes de dizer alguma coisa. Ele lembrou que o professor tinha dito “Todos os planetas giram em volta do Sol”. E essa coisa com cauda, seja lá o que for, também gira em torno do Sol. Será que também é um planeta? Talvez valesse a pena tentar.

                – Um planeta? … – perguntou ele, meio em dúvida.

                Ari não esperava as risadas da classe. Se estivesse prestando atenção, teria ouvido o professor dizer que aquilo a que se referia era o cometa Halley, e que os cometas giram em torno do Sol exatamente como os planetas, mas não são planetas.Imagem

                Felizmente tocou o sinal.

                Mas Ari voltou para casa chateado por não ter conseguido dar a resposta ao professor Batista. Além disso, estava intrigado. Onde ele tinha errado? Procurou lembrar-se de como tinha tentado encontrar a resposta. O professor Batista tinha dito que todos os planetas giravam em torno do Sol. Essa coisa com cauda também girava em torno do Sol, só que não era planeta.

                – Portanto, existem coisas que giram em torno do sol e não são planetas.

                Então, Ari teve uma ideia.

                – Uma frase não pode ser invertida. Se você coloca a última parte no começo, ela não é mais verdadeira. Se você inverter a frase “Todas as mangueiras são árvores”, ficará “Todas as árvores são mangueiras”… E isso é falso! “Todos os planetas giram em torno do Sol” é uma frase verdadeira, mas se você inverte e diz que “Todas as coisas que giram em torno do Sol são planetas” então não é mais verdadeira; é falsa!

                Essa ideia deixou-o tão fascinado que decidiu tentar com outros exemplos.

                A primeira frase em que pensou foi “Todos os carrinhos são brinquedos”. Parecia que aquela frase era verdadeira. Então tentou invertê-la.

                Ari estava encantado! A frase, quando invertida, era falsa. “Todos os brinquedos são carrinhos”, era uma frase falsa. Resolveu tentar outra frase: “Todos os tomates são vegetais” (Ari adorava tomates). Mas o inverso não dava certo. Todos os vegetais são tomates? É claro que não!

                Ari estava vibrando com sua descoberta. Se soubesse disso, naquela manhã, teria evitado aquela situação embaraçosa. Foi então que viu Luísa.

                Luísa também estava na classe de Ari mas, por alguma razão, achava que ela não tinha rido dele. Ari achou que se contasse o que tinha descoberto ela seria capaz de entender!

                – Luísa, acabei de ter uma ideia engraçada!

                Luísa sorriu esperando o resto.

                – Quando você vira as frases ao contrário, elas não são mais verdadeiras.

                Luísa torceu o nariz.

                – E o que tem isso de engraçado.

                – Me dá uma frase, qualquer frase, e eu mostro pra você.

                – Mas que tipo de frase? Eu não consigo inventar uma frase assim do nada.

                Uma frase com dois tipos de coisas, como cães e gatos, sorvetes e comidas ou astronautas e gente.

                Luísa pensou um pouco. E, quando ia dizer alguma coisa, balançou a cabeça e pensou mais um pouco.

                – Vamos lá! Qualquer coisa! – Pediu Ari.

                Finalmente Luísa se decidiu.

                – Nenhum leão é águia.

                Imediatamente Ari rebateu a frase como seu gato teria feito com um novelo de lã.

                – Nenhuma águia é leão.

                Ele ficou atordoado. A primeira frase “Nenhum leão é águia” era verdade, mas “Nenhuma águia é leão” também era.

                Ari não podia entender por que não tinha funcionado.

                – Funcionou antes… – começou a dizer, mas não pode terminar a frase.

                Luísa olhou para ele, intrigada.

                Por que ela tinha dado uma frase tão boba? – pensou Ari um pouco ressentido. Mas então lhe passou pela cabeça que, se realmente tivesse descoberto uma regra, ela também deveria funcionar com frases bobas. Portanto não tinha sido culpa da Luísa.

                Pela segunda vez, naquele dia, Ari sentiu que, por alguma razão, havia falhado. Seu único consolo era que Luísa não estava rindo dele.

                – Eu pensei que tinha descoberto alguma coisa. Realmente pensei que tinha.

                – Você experimentou para ver se funcionava? – perguntou Luísa. Seus olhos verdes estavam brilhantes e sérios.

                – É claro. Peguei frases como “Todos os planetas giram em torno do Sol”, “Todos os carrinhos são brinquedos”, “Todos os tomates são vegetais” e descobri que, quando colocávamos a última parte no começo, as frases não eram mais verdadeiras.

                – Mas a frase que eu dei não era igual às suas. Todas as suas frases começavam com todos e a minha começou com nenhum.

                Luísa estava certa! Mas será que aquilo fazia alguma diferença?

                O único jeito era tentar com mais algumas frases que começassem com nenhum.

                – A frase “Nenhum submarino é canguru” é verdadeira. E “Nenhum canguru é submarino”… – começou Ari.

                – Também é verdadeira. E se “Nenhum mosquito é pirulito” é verdadeira, também é verdadeira a frase “Nenhum pirulito é mosquito”.

                – É isso! É isso! Se uma frase verdadeira começa com nenhum então a frase invertida também é verdadeira. Mas se começa com todos a frase invertida se torna falsa – disse Ari todo agitado.

                Ari estava tão agradecido a Luísa pela sua ajuda que não sabia o que dizer. Ele queria agradecer mas, ao invés disso, resmungou alguma coisa e saiu correndo para casa.

                Ele foi direto para cozinha mas, quando chegou lá, encontrou sua mãe conversando com a vizinha, dona Odete. Ari não quis atrapalhar e então ficou esperando, ouvindo a conversa.

                – Vou lhe contar uma coia, dona Sílvia. Sempre vejo a dona Beti, aquela que se mudou para a casa da esquina, entrar no bar. E você sabe como me preocupo com essas pessoas que não conseguem parar de beber. Sempre vejo essas pessoas entrando no bar. E isso me fazer pensar se a dona Beti…

                – Se a dona Beti é como elas? – perguntou educadamente a mãe de Ari.

                Dona Odete fez que sim. De repente deu um clique na cabeça de Ari.

                – Só porque a senhora diz que todas as pessoas que não conseguem parar de beber são pessoas que vão ao bar, isso não quer dizer que todas as pessoas que vão ao bar são pessoas que não conseguem parar de beber.

                – Ari, isso não é da sua conta! E, além disso, você está interrompendo a conversa – disse sua mãe.

                Mas Ari podia adivinhar, pela expressão do seu rosto, que sua mãe estava contente com o que ele tinha dito.

                Ari pegou um copo d’água e sentou, feliz como há muito tempo não sentia.Imagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s